GNU/Linux proporciona economia de mais de dez milhões de euros a Munique

Mais de 10 milhões de euros (cerca de 12,8 milhões de dólares) foram poupados pela cidade de Munique, graças ao desenvolvimento e uso de uma plataforma Linux própria. O cálculo do valor economizado remete um questionamento do grupo de participação política independente Free Voters (Freie Wähler), que conduziu o projeto municipal “LiMux”, onde foi apresentado um orçamento comparativo na reunião do do comitê de TI da câmara municipal da cidade na quarta-feira 21 de novembro. O cálculo compara o custo global atual da migração LiMux com a de dois cenários Windows tecnologicamente equivalentes: Windows com Microsoft Office x Windows com Office.

O estudo é baseado em cerca de 11.000 ambientes de trabalho migrados da administração de Munique, bem como 15.000 desktops equipados com uma suite office de código aberto. A comparação com o Windows assume que estes sistemas devam estar no mesmo nível tecnológico; isto significa, por exemplo, que eles teriam sido atualizados para o Windows 7 ao final de 2011. Parâmetros do projeto tais como escopo, duração, metodologia aplicada ou apoio externo foram os mesmos em todos os cenários.

De acordo com o cálculo, o Windows com Microsoft Office teria incorrido em cerca de 11,6 milhões de euros nos custos relacionados ao sistema operacional. Microsoft Office e suas atualizações teriam custado 4,2 milhões de euros, e o sistema Windows cerca de 2,6 milhões de euros. O projeto LiMux permitiu, ainda, mais 5 milhões de euros adicionais para atualizações de hardware em conexão com a atualização do sistema Windows 7. Custos de migração de aplicativos foram estimados em cerca de 55 mil euros. Se o conselho da cidade tivesse escolhido o Windows, mas usado o OpenOffice, o custo estimado teria sido de aproximadamente dois terços, ou 7,4 milhões de euros.

De acordo com a comparação, o custo do cenário LiMux era apenas uma fração do valor total. O gerenciamento do projeto revela que, até setembro de 2012, apenas 270 mil euros haviam sido aplicados, pois não envolviam taxas de licença e atualizações de hardware não eram necessárias em consequeência de atualizações de software. Os custos foram gerados exclusivamente pela migração de aplicativos. Os custos não relacionados ao sistema operacional, como os de pessoal e de treinamento, foram listados em cerca de 22 milhões de euros para todos os três cenários. No geral, representantes do projeto avaliam que o Windows e o Microsoft Office teriam custado pouco mais de 34 milhões de euros, enquanto o Windows com o OpenOffice teriam custado cerca de 30 milhões de euros. O cenário LiMux, por outro lado, teria custado menos que 23 milhões de euros.

Com este relatório para a comitê de TI, o prefeito de Munique respondeu a uma petição de transparência de custos apresentada pelo grupo independente Free Voters (Freie Wähler) em abril de 2012. O relatório agora tem o status de uma decisão provisória e está disponível para download (em alemão) ⁠como um documento de 18 páginas no sistema de informação do Conselho Municipal de Munique. Além do relatório de custos, o documento contém informações sobre a organização e planejamento do projeto LiMux. Aqueles que estiverem interessados no progresso referente aos detalhes do projeto podem dar uma olhada no relatório interino de junho de 2012. Em março, o prefeito Christian Ude havia estimado uma economia de cerca de 4 milhões de euros ao responder a uma pergunta da bancada do CSU (partido político alemão) na câmara municipal da cidade.

Fonte: Portal TIC / The H Open ( em inglês )

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s