Austrália aposta alto em sistemas GNU/Linux

Defence_Australia

Dentro de um plano de upgrades que já dura uma década, o Departamento de Defesa do Governo da Austrália irá migrar os últimos sistemas proprietários selecionados, para que passem a utilizar sistemas operacionais GNU/Linux.

Nesta última etapa, algo em torno de quatrocentos sistemas deixarão de ser baseados em sistemas Tru64 e VMS, este último sendo atualmente distribuído pela HP como OpenVMS, passando a utilizar arquitetura Intel com sistemas operacionais Red Hat Enterprise Linux. Até aqui já foram migrados mais de seiscentos sistemas.

Todos são sistemas de funções operacionais, desenvolvimento ou pesquisa, que fazem parte da rede de vigilância responsável pelo monitoramento do espaço aéreo em três instalações de radar em Queensland, Austrália Ocidental e Território do Norte. Centenas de sistemas Red Hat Enterprise estão situados em cada uma das três instalações.

Os centros de controle e comando, das três instalações, são monitorados pela Royal Australian Airforce em Adelaide, utilizando workstations HP que também executam Linux.

As informações foram fornecidas a um correspondente do site iTnews por Jamie Birse, engenheiro de sistemas Linux da BAE Systems, que atua junto ao Governo da Austrália, e que justificou a decisão pela migração para aproveitar os benefícios de customização, escalabilidade e economia oferecidos pelos sistemas Linux.

” A flexibilidade oferecida por ter acesso ao código fonte e ser capaz de realizar mudanças ao kernel, como escrever drivers para uma peça de hardware especializada em particular ou modificar kernels de inicialização foi muito importante “, disse Birse.

” O sistema operacional Red Hat ( também ) facilitou bastante a acomodação das diversas mudanças ao longo de todo o projeto, o que significa que sempre tivemos acesso a um grande número de novas ferramentas “.

O projeto, estimado em torno de vinte e cinco milhões de dólares, enfrentou vários desafios ao longo deste período, incluindo a configuração de servidores automatizados de implementações, que Birse atribuiu ao constante upgrade do ambiente.

Ele observou que, desde que os processos de automação para uma variedade de tarefas, incluindo a implementação de servidores, implantar / reinstalar os nós de processamento, a inicialização através de rede para a instalação em sistemas remotos, foi configurada, o processo para mudar para outro clone do Red Hat Enterprise é muito simples, o que ele entende oferecer uma maior flexibilidade para o Departamento de Defesa no futuro.

“Agora que os processos automatizados foram configurados, é muito fácil para nós para mudar para outro clone do REL como CentOS, Scientific Linux ou variantes da Oracle “, disse ele.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s