Freak ainda afeta centenas de provedores de serviços em nuvem

Segurança na web

Segundo uma pesquisa realizada pela SkyHigh Networks, centenas de provedores de hospedagem em nuvem ainda estão vulneráveis à falha de segurança denominada Freak, que possibilita a atacantes forçarem os navegadores web a utilizarem chaves criptográficas com um nível de encriptação já obsoleto, permitindo então que estas sejam decriptografadas para o roubo de dados sensiveis, como credenciais bancárias, entre outras.

Embora a equipe de desenvolvimento do OpenSSL tenha corrigido a falha em janeiro, a pesquisa revelou que 766 tipos de serviços em nuvem, em um universo de 10.000 tipos de serviços avaliados, ainda estavam sob risco de sofrerem este tipo de ataque. A média é de 122 tipos de serviços vulneráveis por companhia provedora de hospedagem em nuvem, e revela que as empresas estão com processos lentos na correção da falha em seus serviços.

Um em cada dez domínios listados no top 1.000.000 ( um milhão ) da Alexa, ou seja, algo em torno de 9,5% destes, ainda estão vulneráveis à falha, segundo os dados coletados no dia de hoje. A Alexa é uma companhia da Amazon, que fornece ferramentas para análises variadas em websites.

Através da análise dos um milhão de websites melhor colocados no ranking da Alexa, resultados que são atualizados diariamente, um outro website verificou que a correção da falha ainda não havia sido aplicada em centenas deles, além de informar que 26,3% de todos os servidores web ainda permanecem vulneráveis a este tipo de ataque.

“Se o website ou serviço em nuvem que você estiver acessando, for construído sobre o Apache, e muitos são, a Freak é uma séria vulnerabilidade”, disse Nigel Hawtorn, diretor de estratégia na SkyHigh Networks. “Até que as correções sejam aplicadas, será como utilizar tecnologia dos anos 90 contra hackers modernos, o que não representa desafio”.

A companhia contatou cada uma das empresas, provedoras de serviços em nuvem afetadas, e está trabalhando junto às mesmas para assegurar de que estejam cientes quanto a vulnerabilidade e que apliquem as correções necessárias.

Para acessar o artigo original, em inglês, siga o link para o site The Register.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s