K2 divulga solução para impedir a exploração de vulnerabilidades zero-day

zero-day-attack-1024x413

A K2 Cyber Security, empresa baseada nos Estados Unidos e que lida com segurança da informação, afirma ter desenvolvido uma tecnologia, capaz de impedir a exploração de falhas de segurança não divulgadas e ainda não corrigidas em aplicações, mais conhecidas como vulnerabilidades zero-day.

A solução utilizada pela empresa envolve o mapeamento do funcionamento da aplicação, através de uma única análise e, em seguida, realizar o monitoramento desta baseado no comportamento mapeado, o que alegadamente impediria a ocorrência de eventos falso positivos.

“Isso nunca foi feito antes”, afirmou Pravin Madhani, CEO e co-fundador da K2. “Por ser muito difícil de realizar. Somos capazes de criar um mapa de execução para cada aplicação em minutos, e depois monitorá-lo em tempo real. Não há falso positivos.”

A tecnologia empregada nesse tipo de situação é conhecida como Control Flow Integrity (CFI), cujo significado, em uma tradução livre, seria Controle de Integridade de Fluxo, o que atualmente é realizado através de abordagens tradicionais, identificando ações potencialmente maliciosas, que podem demandar a verificação de infinitas combinações de atividades, acarretando em erros nessa detecção gerados por falso positivos ou falso negativos. Esse tipo de abordagem também gera sobrecarga na performance dos sistemas, bem como podem demandar hardware adicional.

Com a melhoria promovida pela K2 no CFI, um mapa de execução da aplicação é criado, como se fosse um baseline de seu funcionamento, permitindo a partir daí que a mesma seja monitorada e interromper a sua operação caso sejam detectadas tentativas de alteração nesse fluxo. A otimização também é aplicável a microserviços utilizados em nuvens privadas e públicas.

A empresa submeteu sete patentes para a proteção da propriedade intelectual envolvida na melhoria promovida junto ao CFI, que é oferecida através de dois módulos distintos: um nomeado como Prevent, algo como Prevenção em uma tradução livre, que detecção em tempo real de ataques zero-day, e outro chamado Segment, que tem o sentido de segmentação, e que isola as cargas de trabalho na nuvem, atribuindo identidades criptográficas exclusivas para cada uma delas antes que estas possam se comunicar. Isso impede o movimento lateral de malwares em ambientes de TI.

Para acessar o artigo original, dirijam-se ao site ZDNet.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s