Tutorial de instalação do KDE 4.1 no Slackware

Bem pessoal, como muitos(as) estão curiosos(as) sobre a instalação do KDE 4.1 no Slackware 12.1, resolvi ilustrar o procedimento. Devo ressaltar que os pacotes que utilizaremos estão no diretório /testing da árvore do Slackware-current, portanto não recomendo utilizá-lo em versões do Slackware anteriores à 12.1, e mesmo que seja nesta versão pode ser que alguns programas que costume utilizar não estejam disponíveis ao término do procedimento. Se mesmo assim desejar continuar, prossiga com a leitura e vamos lá!

O primeiro passo será acessar a página que contém os arquivos que vamos precisar para realizar a instalação, e baixá-los é claro. Isso pode causar um pouco de dor de cabeça pois alguns pacotes eu não encontrei nos repositórios brasileiros, o que demandou um pouco mais de tempo para baixá-los lá de fora. Aliás nem tentem no Slacklife pois parece estar fora do ar. Usem preferencialmente o slackware-brasil.

Certifique-se então de que tenha baixado todos os arquivos, de todas as pastas que estejam no /testing, que contenham KDE em sua descrição, com excessão é claro do diretório kde-l10n, que contém os arquivos de internacionalização e do qual pode baixar apenas o pacote kde-l10n-pt_BR-4.1.0-i486-1, que corresponde ao português do Brasil. A falta da instalação de algum dos outros arquivos pode impossibilitar o carregamento dele.

Recomendo também que separe os pacotes baixados em pelo menos duas pastas, deixando os arquivos que estão na pasta kde4/deps separados dos outros, pois o ideal é que sejam instalados antes deles para que não causem qualquer tipo de dependência.

Também tenha certeza de que eles não fiquem na sua área de trabalho, como é o padrão nos downloads realizados pelo Firefox, no caso de ainda estar com o KDE 3 em utilização. Aliás o ideal e que esteja em outro gerenciador para executar o procedimento, colocando os arquivos baixados em uma pasta que não tenha ligação com o KDE. Para este tutorial vou passar para o XFCE, mas podem utilizar qualquer outro de sua preferência que tenha instalado, ou mesmo nenhum, afinal todos os procedimentos serão feitos no terminal.

Primeiramente vamos remover o KDE 3, juntamente com seus pacotes correlatos, do sistema. Ou, caso tenha realizado a instalação do Slackware sem a inclusão dele, pule o próximo passo. Para removê-lo, acesse o terminal com permissões de superusuário, e em seguida execute o seguinte comando:

# pkgtool

Esse comando inicia a ferramenta de gerenciamento de pacotes integrada ao Slackware. Com ele vamos remover os pacotes antigos do KDE para que não ocasionem conflitos com os novos. No screenshot tirado está a janela inicial do pkgtool, escolha a opcão remover pacotes para retirar os que serão substituídos.

Segundo o README criado por um dos desenvolvedores do Slackware, devemos retirar todos os pacotes QT e KDE, incluindo seus aplicativos correlatos como Amarok, KOffice, qca, qca-tls, knemo, poppler, além de remover os diretórios /etc/kde e /home/.kde.

Confuso né! Tambem achei a princípio mas não é tanto. De qualquer forma desinstalei os seguintes pacotes:

– Amarok;

– Todos os que começavam com kde;

– O kdmtheme (só por precaução, e que você pode não ter instalado já que não vem por padrão);

– O kmyfirewall (mesmo caso que o de cima);

– Knemo;

– Poppler e poppler-data;

– E por último o qt.

Para marcá-los, basta usar as setas direcionais do teclado para iluminar os pacotes e a barra de espaço para incluir um asterisco na frente dos que serão removidos. Use a tecla tab e tecle enter para o pkgtool aceitar a remoção dos pacotes selecionados.

Aguarde um pouco e eles serão removidos. Feito isso falta remover os diretórios referidos no README. Para tanto execute os comandos no terminal, sempre com privilégios de administrador:

# rm -rf /etc/kde

# rm -rf /home/usuario/.kde

# rm -rf /root/kde

No penúltimo comando, substitua o usuário pelos diretórios de todos(as) aqueles(as) que já haviam aberto o KDE com suas contas. Execute este último se você acessa a conta de administrador com ambiente gráfico, e se para tanto havia usado o KDE.

Com isso, vamos agora instalar os pacotes baixados. Primeiro instalamos as suas dependências, que estão no diretório kde4/deps, e então o restante dos pacotes. Isso pode ser feito de duas formas:

– Usando a segunda opção do pkgtool e apontando para o diretório onde se encontram os pacotes que se deseja instalar;

– Ou indo diretamente ao diretório, pelo terminal, e instalando-os com o comando:

# instalpkg *.tgz

Como podem ver houve um erro na instalação do pacote kdegames, deve ter vindo corrompido pelo que indica a linha de erro, mas como não é essencial para o funcionamento do sistema pode ser instalado posteriormente. Depois de todos instalados, use o xwmconfig para escolher o KDE como gerenciador padrão. Basta então digitar o famoso startx em seguida.

# xwmconfig

Ou, se como no meu caso estiver usando um gerenciador de login gráfico, saia da seção atual e acesse-o escolhendo o KDE como opção para carregamento.

E voilà!! Aí está o que lhe espera depois que a área de trabalho for carregada, claro que sem  a página do blog já aberta né! 🙂 Só a coloquei para que vissem que o procedimento funcionou. O mais estranho é que não precisei reinstalar o driver da NVídia, ele já carregou de cara. Ainda não o configurei e nem reiniciei o computador, pois já era um pouco tarde como podem ver pelo relógio na imagem acima. Talvez seja mesmo necessário reinstalar o driver de sua placa de vídeo antes que funcione da primeira vez, afinal no meu caso eu não deixei o ambiente gráfico, voltando para o GDM instalado pelo Gnome Slackbuild e escolhendo seu carregamento. Vou ver isso a noite, quando chegar da faculdade, e comento aqui no post se necessário.

Como podem ver no screenshot, realmente pode existir alguns problemas, como a exibição de ícones duplos para a bateria do meu note, pelo menos que eu tenha percebido por enquanto. Mas fora isso agora são só ajustes que cada um(a) deve fazer a seu gosto. Até a próxima!

Instalando o KDE 4.1 no Slackware

Como o próprio Patrick informou antes do lançamento da versão 12.1 do Slackware, o KDE que iria acompanhá-la ainda seria da série 3.5.x, ficando para a versão seguinte a inclusão da nova série 4.x. Mas enquanto a série do KDE 4.1.x prossegue com a sua evolução, vários(as) usuários(as) tem buscado formas de instalá-lo no Slackware atual, mesmo que ainda não seja tão estável.

Por isso procurei informações a respeito de como realizar a instalação do KDE 4.1 no Slackware 12.1, chegando então a esse repositório, que contêm as dependências e os pacotes pré-compilados em formato .tgz, além de instruções em inglês sobre como proceder para substituir o KDE 3.5.9 pela versão 4.1.

Segundo o blog Recycled Space, também norte americano, o repositório pertence a Robby Workman, que é um dos integrantes do time de desenvolvimento do Slackware, e portanto é grande a possibilidade de que essa venha a ser a fonte dos pacotes oficiais quando estes forem disponibilizados.

Devo reforçar o aviso disponibilizado no arquivo README deste mesmo repositório, de que esta ainda não é uma versão completamente estável quando comparada à série 3.5.x, além de ainda haverem aplicativos que são incompatíveis, uma das razões pelas quais ela ainda não conste nem no repositório CURRENT oficial da árvore do Slackware, pelo menos não até esta data, por isso instale-a e use-a por sua própria conta e risco.

Fica registrada então a dica e os links para aqueles(as) que não quiserem/puderem esperar pela nova versão do Slackware para desfrutar do KDE da série 4.x em seu desktop. Divirtam-se!

Veja também: Tutorial de instalação do KDE 4.1 no Slackware.

GNOME SlackBuild, versão liberada para o Slackware

Assim que o novo Slackware, versão 12.1, foi lançado, achei que em pouco tempo o projeto Dropline lançaria uma versão que fosse compatível com ele, porém não há notícias de quando será liberada esta atualização. Então, como iria passar para o novo Slackware, resolví fazer uma instalação do zero e verificar se algum dos outros projetos, que se propõem a levar o GNOME até ele, haviam lançado versões compatíveis. Não precisei navegar muito, o GSB – GNOME SlackBuild já estava disponível. Embora não seja a versão mais recente do GNOME, já é compatível com o Slackware 12.1, algo que mesmo sabendo que poderia ser inútil, tentei sem sucesso conferir se o Dropline seria.

Sua instalação é tão simples ( e tão demorada! ) quanto a do Dropline, bastando haver espaço no HD, uma conexão com a Internet, de preferência banda larga é claro ou levará uma eternidade, e alguns poucos comandos e configurações. Na página de instalação estão listados os procedimentos a serem seguidos para as arquiteturas de 32 ou 64 bits. No meu caso, a primeira arquitetura é a válida, e tudo o que precisa-se fazer é logar em um terminal como root, preferencialmente em nível de execução 3, que é o padrão do Slackware, e digitar o seguinte comando:

# lynx –source http://gnomeslackbuild.org/net-install | bash

Esse comando instala o Slapt-get, um similar do Apt-get nas distribuições Debian, já  configurado para iniciar o modo net-install de instalação do GSB. Com isso, o Slapt-get checará as dependências de instalação do GSB antes de efetuá-la em definitivo.

Como podem ver pelo screenshot, ele atualizou em meu sistema 14 programas e instalou 15 novos, num  total de quase 57 MB a mais, pré-requesito para uma instalação tranquila do GNOME SlackBuild. Mas isso pode variar de acordo com a seleção de pacotes que tenha feito durante a sua instalação do Slackware.

Depois disso, é iniciada a instalação do GSB propriamente dita. Como é visto no screenshot acima, são mais 364 pacotes a serem instalados, ocupando pouco mais de 785 MB no formato compactado em que estão. Mesmo com banda larga, poderão com certeza ir tomar um café beeeeem demorado, quem sabe até almoçar ou jantar. 🙂

Com o sistema instalado, automaticamente o nível de execução é alterado para 4, mudando a inicialização para o modo gráfico e trocando o KDM, ou o XDM se este for o que estiver em uso no momento, pelo GDM, que é o padrão do GNOME. Para efetuar o login, escolha a sessão Compiz GNOME e entre com o seu nome e senha. O GNOME será carregado, porém isso foi só para que vejam que ele realmente está instalado e o pequeno problema que deverão corrigir. Como podem ver no screenshot abaixo, os ícones do desktop KDE e GNOME estão ocupando a área de trabalho disponibilizando duas lixeiras. Vocês não podem simplesmente apagar uma delas pois, ao carregarem um ou outro gerenciador de janelas, o que teve a lixeira excluída não a disponibilizará.

Para resolver isso é só mudar o caminho de um dos desktops dos dois gerenciadores. Para exemplificar mostrarei como é feito no KDE. Acesse o Centro de controle, através do menu K, e selecione a área Caminhos na seção de Administração do Sistema. Nela basta alterar o caminho informado na primeira linha, alterando-o como desejar, renomeando o caminho original.

No meu caso só acrescentei o número 1 ao final do caminho. Ao mandar aplicar, já nos é informado que o caminho foi alterado e perguntado se desejamos mover os arquivos, ou seja os ícones, para o novo destino. Basta concordar clicando em mover e eles serão movidos para lá.

Como verão, isso não alterará em nada o funcionamento do KDE mas retirará os ícones que lhe pertencem da área de trabalho do GNOME. Assim, os dois gerenciadores voltam a dispôr de ícones independentes, sem que interfiram no funcionamento um do outro.

Prontinho! O GNOME SlackBuild está instalado e pronto para ser personalizado ao seu gosto! Fique à vontade e até a próxima!