Slackware Linux – Notícias sobre o desenvolvimento. Dezembro, 2018.

Slackware logo

Seguindo com o desenvolvimento da distribuição, a equipe por trás da Slackware Linux continua realizando modificações na árvore -current, trazendo atualizações que visam deixá-la o mais atualizada possível e, pelo menos em teoria, menos vulnerável a falhas de segurança, além de nos prover com os pacotes mais recentes das aplicações que a compõem.

Somente este mês, e até o momento, foram realizadas atualizações no kernel Linux que a trouxe da utilização da versão 4.19.6 para a 4.19.12, sendo esta a mais recente versão estável disponibilizada junto ao site The Linux Kernel Archives.

Como é sabido por aqueles que acompanham o seu desenvolvimento, a versão do kernel que foi disponibilizada quando do lançamento da versão 14.2 da distribuição foi a 4.4.14, ainda em 2016, o que representa um salto e tanto no número de versões que foram sendo incorporadas à Slackware Linux, ao longo deste intervalo.

Diversos outros pacotes foram também atualizados durante o período, passando por aplicações de uso comum, como o navegador Firefox 60.4.0, o cliente de emails Thunderbird também na versão 60.4.0, a suíte office Calligra 2.9.11, entre outras.

Como citado anteriormente, aqui mesmo neste blog, atualizações de segurança também foram focadas, provocando modificações em aplicações como netatalk 3.1.12, disponibilizado recentemente, além de outras como php 7.2.13, samba 4.9.3, e assim por diante.

Além destas, podemos encontrar as contribuições individuais de desenvolvedores oficiais do projeto, sendo um deles o Eric Hameleers, que tem sido o mantenedor para os pacotes referentes ao gerenciador de janelas KDE, atualmente disponibilizado na versão 5_18.12, além de aplicações de uso geral como o LibreOffice, player de multimídia VLC, navegador web Chromium, entre outras, portando-as para a Slackware Linux.

O Eric também é o responsável pelo lançamento e manutenção da Slackware Live Edition, uma versão em live CD da distribuição, que visa facilitar o primeiro contato de usuários de outras distribuições e sistemas operacionais com a nossa amada Slackware Linux.

A versão live CD é disponibilizada com gerenciadores de janelas personalizados em cada ISO, sendo possível encontrar, atualmente, versões com KDE, Mate e XFCE, sendo possível baixar estas imagens a partir deste link. Para acompanhar as mais recentes atualizações liberadas pelo Eric, acessem o seu blog através deste outro link.

Para acompanhar as mais recentes atualizações oficiais para a Slackware Linux, acessem a página de changelog da distribuição através do seguinte link. Caso possa contribuir financeiramente para a manutenção da mesma, pode utilizar o link para a conta do Patrick junto ao PayPal.

Anúncios

Slackware Linux 14.0 – Instalando a LibreOffice 4.0.1

libreoffice

A versão 4.0.1 da LibreOffice tem a finalidade de continuar o processo de estabilização desta suite office livre, enquanto também disponibiliza correções de erros e melhorias na estabilidade.

Os pacotes de instalação para distribuições que utilizem os formatos .rpm e .deb, além dos executáveis para os sistemas operacionais Windows e Mac, já são disponibilizados por padrão na página de downloads do projeto, porém, como na distribuição Slackware Linux nós utilizamos um formato diferente dos citados acima, podemos contar com a ajuda dos colaboradores da distribuição para que possamos baixar os pacotes compatíveis, sem a necessidade de compilá-los por nós mesmos.

O trabalho de Eric Hameleers, desenvolvedor e colaborador do time oficial de desenvolvimento da Slackware Linux, tem sido de enorme valor para toda a comunidade de usuários(as) da distribuição espalhados ao redor do globo, sempre procurando disponibilizar os aplicativos mais populares em formatos de pacotes compatíveis com a Slackware Linux, e este é um dos casos onde podemos encontrar a versão atualizada do aplicativo para instalação rápida e descomplicada.

Você pode encontrar os pacotes de instalação nos diretórios compatíveis com as arquiteturas de 32 bits ou 64 bits, podendo baixar não só os que são referentes às aplicações mas também os pacotes que possibilitam traduções para várias línguas diferentes.

Para facilitar o seu trabalho, vou colocar aqui os dois que interessam a cada uma das arquiteturas sendo estes para quem utiliza sistemas em 32 bits:

libreoffice-4.0.1-i486-1alien.txz

libreoffice-l10n-pt_BR-4.0.1-i486-1alien.txz

Ou estes para quem utilize arquiteturas de 64 bits:

libreoffice-4.0.1-x86_64-1alien.txz

libreoffice-l10n-pt-4.0.1-x86_64-1alien.txz

Caso deseje baixar outras traduções, basta acessar o diretório de pacotes referente à sua arquitetura e fazer o download dos pacotes que desejar.

Para instalar os pacotes baixados, basta acessar o terminal como usuário(a) administrador(a) e usar o comando installpkg para que tenha o pacote de aplicativos para escritório, além do pacote de tradução para português brasileiro, instalados e disponíveis para utilização.

Até a próxima!

Outro incentivo para o uso de suítes Office livres

Além da economia, gerada pela não necessidade da aquisição de licenças para a utilização de softwares livres, já que a liberdade de realizar sua instalação em quantos computadores quiser, é assegurada através da licença que o rege, outro incentivo para a sua utilização surgiu na semana passada, pelo menos no que tange a utilizações de softwares para escritório, depois que a Microsoft respondeu via e-mail à ComputerWorld, publicação especializada em tecnologia da informação nos Estados Unidos, a algumas questões a respeito do novo Microsoft Office 2013.

Não que a Microsoft tenha recomendado a utilização de softwares livres, mas com a modificação na forma de licenciamento, aplicada à nova versão de sua suíte Office, ela impõe uma restrição um pouco desagradável quanto a reinstalação de seu pacote de aplicativos para escritório, o que indiretamente vai induzir os consumidores a considerar as opções livres.

Uma licença da versão 2013 do Microsoft Office, torna-se ligada ao hardware a que foi instalada na primeira vez, impedindo que seja utilizada em um novo computador. E o que isso tem de inconveniente? Bem, se você adquire uma licença neste formato, e o seu equipamento é danificado, necessitando de substituição, você também precisará adquirir uma nova licença do Office 2013 para o novo computador, já que a licença que possuía não poderá ser instalada em seu novo equipamento, por já estar vinculada ao computador danificado.

Claro que a medida tem dupla intenção, já que pretende evitar que a mesma licença seja utilizada em mais de um computador ao mesmo tempo, na chamada pirataria, além de pretender incentivar a migração de usuários(as) de licenças proprietárias tradicionais, para a sua nova forma de licenciamento, na qual o software é “alugado” por uma quantia fixa, que pode ser paga de forma anual ou mensal. Essa forma de licenciamento é utilizada para o Microsoft Office 365, e é a recomendada atualmente pela Microsoft para usuários(as) que necessitem de transferibilidade entre equipamentos para a sua utilização.

Até a versão 2010 do Microsoft Office, uma pessoa poderia desvincular uma licença de um equipamento, para vinculá-la a um outro, quantas vezes quisesse, desde que essas mudanças não ultrapassassem a quantia de uma nova vinculação a cada noventa dias para a mesma licença. Com a nova forma de licenciamento, a utilização do Office 2013 só é garantida enquanto estiver utilizando o mesmo equipamento.

Dai você se faz as mesmas perguntas que eu me fiz. E se eu fizer um upgrade na minha máquina? Mudar um processador, substituir o disco rígido por um maior ou algo assim? E quando isso envolve várias máquinas, com relação a empresas por exemplo? Bem, nem mesmo para a equipe da ComputerWorld isso ficou claro, mas aparentemente pode ser que você também não possa utilizar a licença que possui caso as configurações de hardware, reconhecidas inicialmente, se modifiquem.

Em caso de dúvidas eu recomendo que, se for realizar um upgrade em um equipamento que possua uma licença do Microsoft Office 2013 autenticada, contacte antes o suporte da empresa para que não corra o risco de perda do investimento realizado na aquisição da licença, ou que opte por manter a sua liberdade instalando alguma das opções livres em aplicativos para escritório.

LibreOffice, Calligra e Apache OpenOffice são apenas algumas das opções que você pode encontrar para substituir o Microsoft Office e, assim, manter a sua mobilidade, já que qualquer uma das três opções citadas permite a instalação em uma quantidade ilimitada de equipamentos, sem a necessidade de registro de licença para a sua utilização, ou qualquer custo com a aquisição de licenças. Todas as opções citadas possuem versões para a instalação em sistemas operacionais Windows, além é claro das opções para sistemas GNU/Linux, entre outros.

Isso permite que você possa manter a produtividade, ao mesmo tempo em que garante a sua liberdade de utilização e produção de cópias destes softwares, sem que por isso esteja infringindo a lei ou venha a ser penalizado com a perda de investimentos financeiros realizados.

Avalie bem alguma das opções livres, e as vantagens que podem oferecer, antes de substituir uma cópia antiga do Microsoft Office por uma que siga o novo modelo de licenciamento, isso pode restringir e muito a possibilidade de manutenção de seus equipamentos em caso de falha, ou ocasionar um prejuízo monetário desnecessário.