Austrália aposta alto em sistemas GNU/Linux

Defence_Australia

Dentro de um plano de upgrades que já dura uma década, o Departamento de Defesa do Governo da Austrália irá migrar os últimos sistemas proprietários selecionados, para que passem a utilizar sistemas operacionais GNU/Linux.

Nesta última etapa, algo em torno de quatrocentos sistemas deixarão de ser baseados em sistemas Tru64 e VMS, este último sendo atualmente distribuído pela HP como OpenVMS, passando a utilizar arquitetura Intel com sistemas operacionais Red Hat Enterprise Linux. Até aqui já foram migrados mais de seiscentos sistemas.

Todos são sistemas de funções operacionais, desenvolvimento ou pesquisa, que fazem parte da rede de vigilância responsável pelo monitoramento do espaço aéreo em três instalações de radar em Queensland, Austrália Ocidental e Território do Norte. Centenas de sistemas Red Hat Enterprise estão situados em cada uma das três instalações.

Os centros de controle e comando, das três instalações, são monitorados pela Royal Australian Airforce em Adelaide, utilizando workstations HP que também executam Linux.

As informações foram fornecidas a um correspondente do site iTnews por Jamie Birse, engenheiro de sistemas Linux da BAE Systems, que atua junto ao Governo da Austrália, e que justificou a decisão pela migração para aproveitar os benefícios de customização, escalabilidade e economia oferecidos pelos sistemas Linux.

” A flexibilidade oferecida por ter acesso ao código fonte e ser capaz de realizar mudanças ao kernel, como escrever drivers para uma peça de hardware especializada em particular ou modificar kernels de inicialização foi muito importante “, disse Birse.

” O sistema operacional Red Hat ( também ) facilitou bastante a acomodação das diversas mudanças ao longo de todo o projeto, o que significa que sempre tivemos acesso a um grande número de novas ferramentas “.

O projeto, estimado em torno de vinte e cinco milhões de dólares, enfrentou vários desafios ao longo deste período, incluindo a configuração de servidores automatizados de implementações, que Birse atribuiu ao constante upgrade do ambiente.

Ele observou que, desde que os processos de automação para uma variedade de tarefas, incluindo a implementação de servidores, implantar / reinstalar os nós de processamento, a inicialização através de rede para a instalação em sistemas remotos, foi configurada, o processo para mudar para outro clone do Red Hat Enterprise é muito simples, o que ele entende oferecer uma maior flexibilidade para o Departamento de Defesa no futuro.

“Agora que os processos automatizados foram configurados, é muito fácil para nós para mudar para outro clone do REL como CentOS, Scientific Linux ou variantes da Oracle “, disse ele.

Anúncios

Intel Clover Trail irá suportar Linux e Android afinal

Um dia depois de afirmar, durante a edição recente da Intel Developers Conference, que a nova linha de processadores Clover Trail executaria somente o sistema operacional Windows 8, a Intel esclareceu que os sistemas GNU/Linux e Android continuam a fazer parte da estratégia da empresa, e que a nova família de processadores deve receber também versões específicas para estes sistemas operacionais.

Segundo informou por e-mail a porta-voz da Intel, Kathryn Gill, “A versão atual do Clover Trail suporta tablets com Windows 8, mas a Intel tem planos para outra versão dessa plataforma direcionada para Linux/Android“. A informação de que os sistemas operacionais livres não seriam suportados não faria muito sentido em uma empresa de porte mundial como a Intel, e não poderia deixar de lhe causar impacto negativo junto aos desenvolvedores de softwares ao redor do mundo, mas disponibilizar múltiplas versões de um mesmo processador já é algo mais coerente e típico, quando o comportamento usual da empresa é avaliado.

No início deste ano, a Intel anunciou um novo processador com baixo consumo de energia direcionado para o Android, chamado Medfield. A diferença do suporte entre o Medfield e o Clover Trail está no diferente gerenciador de energia, que agora gerencia dois núcleos no novo processador, e não apenas um como no Medfield. A Intel está tendo problemas na adaptação desse gerenciador para o Android, devido aos seus requerimentos de energia e aquecimento. Além disso, o sistema operacional Android já dispõe de uma base consolidada, enquanto que o Windows 8 ainda é um mercado emergente, fazendo mais sentido investir em uma área de mercado ainda pouco explorada, do que ser apenas mais um competidor no mercado de dispositivos com Android.

Vamos aguardar e ver como serão os próximos passos da Intel no mercado de dispositivos móveis, sabendo assim se serão direcionados também para atender aos consumidores de tecnologias que sejam compatíveis com os sistemas abertos.

Intel anuncia sistema de proteção anti-furto

A Intel anunciou um sistema de proteção que promete oferecer alguns motivos a mais para que o roubo de computadores portáteis se torne menos comum. Falando especificamente da nova linha de equipamentos denominados Ultrabooks, a Intel espera que a tecnologia Anti-Theft vá atrair mais consumidores devido aos níveis adicionais de proteção aos dados que ela oferece.

Dentre as várias formas de proteção adicionadas com a tecnologia, que é possibilitada com a integração do sistema no nível físico do equipamento, podemos destacar a possibilidade de localização e rastreamento do portátil, em caso de roubo ou perda, que pode ser executada quando o mesmo é conectado à Internet, inclusive se este acesso for Wi-Fi, GPS ou 3G.

Usuários(as) podem inclusive ativar o modo “Lock-down”, que permite que o acesso ao dispositivo seja desabilitado enquanto que, silenciosamente, ativa o modo de encriptação de dados, sem que isso seja notado por quem quer que esteja de posse do dispositivo perdido ou roubado.

O sistema contra intrusão que faz parte da tecnologia torna, segundo a empresa, impossível de atravessar a encriptação dos dados simplesmente removendo-se o disco rígido do dispositivo, pois as chaves de encriptação são armazenadas no hardware e podem ser apagadas remotamente de necessário.

Embora esse tipo de tecnologia tenha tido pequena procura para implementação em laptops, devido ao custo anual relativamente alto, a Intel acredita que o momento seja ideal para a sua implantação devido ao advento dos Ultrabooks.

Mais informações, em inglês,  no site oficial da empresa.